Mobile Commerce: Sua loja virtual está nas mãos do consumidor

Que a venda de produtos a partir dos smartphones caminha para uma maior participação no mercado, não é nenhuma novidade. As pesquisas do e-Bit mostram que em janeiro, a participação do comércio eletrônico via dispositivos móveis chegou a 9,7%.

Os proprietários de e-commerce que ainda não se ligaram sobre essa realidade devem se apressar, ou podem entrar tarde demais no universo mobile. No Brasil, temos muito mais smartphones e tablets do que desktops e notebooks. Logo a otimização de sua loja para acesso via dispositivos móveis é o passo mais inteligente a ser dado.

Essa realidade tornou obrigatório o desenvolvimento de e-commerces responsivos, independente do segmento, e as lojas virtuais não são exceção. Seu e-commerce necessita estar apto à apresentar seus produtos de forma clara e agradável, independente de onde ela está sendo exibida. Os interessados em saber a compatibilidade da sua loja virtual com dispositivos móveis, você pode acessar o esse link do Google.

A dúvida seguinte então, seria: como eu devo oferecer o conteúdo da minha loja virtual da melhor forma possível para o consumidor? Uma loja mobile ou um aplicativo?

Loja Mobile, seu e-commerce remodelado
A loja mobile é uma adaptação do seu e-commerce para ser usado em smartphones e tablets. Nesse caso é necessária uma reestruturação de layout de toda a loja. Afinal, ela será exibida de uma maneira muito diferente da tela do laptop, por exemplo.

Lembre-se que o usuário agora experimenta sua loja através de uma tela muito menor, usando touch screem. Isso com certeza muda toda a dinâmica de navegação dentro da sua loja. Aquele grande menu superior e a tela de checkout, muitas vezes bem complexa, precisam ser remodelados.

Por isso, quase sempre a criação de uma loja mobile não se trata de apenas tornar o seu e-commerce responsivo. É necessário remodelar cada passo da navegação dentro da loja, da busca por produtos até o pagamento.

Um aplicativo para minha loja virtual
O primeiro ponto a ser levantado é o de que um aplicativo é uma mídia mais específica. Quando usamos um aplicativo, sua atenção não fica fragmentada como quando acessamos um website, pois dificilmente haverão estímulos externos competindo por atenção aqui.

É necessário ter em mente que todos os aplicativos disponíveis nas appstores são considerados como aplicativos nativos. Algo que deve ser levado em conta é a programação de acordo com as diretrizes do fabricante de aparelhos.

Outro desafio é o próprio uso do aplicativo. Diferente de um apps de mensagens instantâneas ou redes sociais, o uso de um destinado exclusivamente à venda é bem menos constante. Daí a necessidade de uma análise mais profunda na etapa de criação do aplicativo, o que ele vai oferecer para que não seja esquecido pelo consumidores em meio a vários outros aplicativos já instalados no smartphone dele.

Pense bem antes de investir
Seja na adaptação do seu e-commerce para uma loja mobile ou na criação de um aplicativo, existe investimentos significativos. Cabe ao empreendedor entender o que ele realmente pretende oferecer através daquela plataforma: se apenas uma reprodução da sua loja, ou seus produtos aliados a demais recursos. O crescimento do comércio mobile mostra que o consumidor brasileiro está perdendo o medo de realizar transações através dos smartphones e logo as vendas via mobile terão uma significativa representatividade no faturamento do empreendedor.

Comentários